Aplicativos que medem a pressão ameaçam a saúde, diz pesquisa

Aplicativos que medem a pressão ameaçam a saúde, diz pesquisa

Aplicativos para smartphones que medem a pressão sanguínea podem ser prejudiciais para o controle da hipertensão, mostrou um estudo publicado neste mês no periódico da Sociedade Americana de Hipertensão. De acordo com os autores, muitos desses programas não foram testados cientificamente e podem dar resultados errados, imprecisos e, por isso, potencialmente perigosos.

Os pesquisadores analisaram 107 aplicativos famosos para o controle hipertensão disponíveis para download no Google Play e na Apple iTunes e constataram que três quartos ofereciam ferramentas úteis para acompanhamento de dados médicos. No entanto, somente 2,8% foram desenvolvidos com a ajuda de instituições de saúde, como universidades. Além disso, os pesquisadores encontraram sete aplicativos para o sistema Android que instruíam os usuários a pressionar o dedo na tela ou na câmera do celular para medir a pressão sanguínea, mecanismo que os cientistas consideram enganoso.

Os aplicativos desse tipo haviam sido baixados pelo menos 900 000 vezes. Alguns chegaram a 2,4 milhões de downloads. “Essa tecnologia ainda está em fase de pesquisa, não está pronta para uso clínico”, disse Nilay Kumar, da escola de medicina de Harvard e principal autor do estudo.

Benefícios — Por outro lado, de acordo com os estudiosos, esses aplicativos podem ajudar a pessoa a armazenar seu histórico de saúde. A maior parte (72%) dos mais populares permitia aos usuários acompanhar seus dados médicos e cerca de um quarto oferecia a opção de exportar as informações diretamente do consultório médico.

Após os autores concluírem o estudo, eles ressaltam a necessidade de uma regulamentação urgente para esse tipo de serviço.

Como evitar e tratar a hipertensão?

Ingerir pouco sal:

“Diminuir o consumo de sal é a medida que causa maior impacto na redução da pressão arterial”, diz o cardiologista Luiz Bortolotto, presidente do departamento de hipertensão da Sociedade Brasileira de Cardiologia e diretor da unidade de hipertensão do Instituto do Coração (Incor), em São Paulo. A relação entre o sódio e aumento da pressão é simples de entender: como o sal retém água no organismo, ele eleva o volume de líquido que passa nos vasos — automaticamente subindo a pressão. A recomendação é ingerir no máximo 5 gramas de sal por dia — equivalente a 1 colher de chá rasa —, incluindo o dos alimentos que já têm sódio em sua composição.

Praticar atividade física:

Durante o exercício físico, principalmente os aeróbicos (como a corrida e caminhada), os músculos do corpo relaxam pela ação da endorfina, um neurotransmissor ligado à sensação de bem-estar. “A camada média do vaso sanguíneo é muscular. Quando ela relaxa, a pressão dentro dela diminui”, afirma o cardiologista Miguel Moretti, do Hospital e Maternidade São Luiz Anália Franco, em São Paulo. Ademais, o exercício condiciona o sistema cardiovascular.

Maneirar no consumo de bebida alcoólica:

O consumo exagerado de bebidas alcoólicas, principalmente as destiladas, causa alterações metabólicas que podem resultar no aparecimento da aterosclerose, isto é, acúmulo de gordura na parede dos vasos. “Além disso, por ser altamente calórico, o álcool contribui para a obesidade e, consequentemente, para o sedentarismo. Esses dois fatores favorecem a hipertensão”, diz Miguel Moretti. O limite de ingestão de álcool recomendado é de 30 gramas por dia para homens, equivalente a duas taças de vinho, e 15 gramas para mulheres.

Não fumar:

A nicotina destrói a camada interna do vaso sanguíneo, chamada de endotélio vascular. “Substâncias presentes no cigarro provocam o estreitamento dos vasos, o que leva a um aumento da pressão do sangue dentro das artérias”, diz Luiz Guilherme Velloso, cardiologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo.

Controlar o stress:

O stress faz com que o corpo libere o cortisol, hormônio que estimula a contração do vaso e, consequentemente, o aumento da pressão sanguínea. Praticar atividade física e ter hábitos relaxantes pode ajudar a controlar o stress.

Ter um peso saudável:

O sobrepeso e a obesidade pode ser decorrentes de outros fatores que favorecem a hipertensão, como sedentarismo, dieta rica em sal e alto consumo de bebida alcoólica. “Pessoas acima do peso têm alterações no sistema nervoso simpático e no endotélio, camada interna dos vasos. Esses fatores aumentam a pressão”, diz Luiz Bortolotto.

Fonte: Veja