Cigarro eletrônico é melhor que adesivo para largar vício, diz estudo

Cigarro eletrônico é melhor que adesivo para largar vício, diz estudo

O cigarro eletrônico é pelo menos tão eficaz quanto o adesivo de nicotina para ajudar uma pessoa a deixar de fumar, conclui um novo estudo neozelandês sobre esse controverso paliativo – cujas importação e comercialização foram proibidas no Brasil em 2009 pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A pesquisa liderada por Chris Bullen, da Universidade de Auckland, e publicada neste domingo (8) pela revista médica “The Lancet”, sugere que o cigarro eletrônico é comparável ao adesivo de nicotina para auxiliar fumantes a largar o vício por no mínimo seis meses.

O trabalho foi feito com 657 adultos que queriam deixar de fumar e mostra uma eficácia um pouco maior do “e-cigarro” em relação ao adesivo, apesar de a diferença ser considerada “estatisticamente não significativa”.

Segundo os autores, o cigarro eletrônico seria mais eficaz para reduzir o consumo de tabaco em quem não conseguiu deixar 100% o cigarro clássico.

Entre os participantes, 57% que usaram o “e-cigarro” conseguiram reduzir pela metade ou até menos o consumo de tabaco, contra 41% dos que recorreram ao adesivo.

Por outro lado, o cigarro eletrônico “fidelizou” muito mais que os adesivos: um terço de quem testou o “e-cigarro” ainda continuava usando-o depois de seis meses, contra apenas 8% dos que aplicaram adesivos.

Para os pesquisadores, o uso do cigarro eletrônico no curto prazo é considerado de baixo risco. No entanto, o consumo a longo prazo ainda requer mais estudos.

 

Fonte: Bem Estar