Ovários policísticos podem alterar o ciclo menstrual e dificultar a gravidez

Ovários policísticos podem alterar o ciclo menstrual e dificultar a gravidez

Uma a cada 4 mulheres tem cisto no ovário e, se esses cistos aparecem em maior quantidade, ocorre a síndrome dos ovários policísticos, um problema que pode causar alterações no ciclo menstrual e até dificultar a gravidez, como explicou o ginecologista José Bento no Bem Estar desta sexta-feira (8).

Entre as mudanças na menstruação, o médico explicou que a síndrome não altera a quantidade de sangramento, mas sim a quantidade de ciclos, que podem ser mais espaçados ou a mulher ter menos fluxos durante o ano. Isso acontece porque o folículo que cresce dentro do ovário não cresce muito e não recebe o óvulo, tornando-se um cisto – ou seja, se não há ovulação, não há menstruação.

Por isso, em alguns casos, as pacientes podem tomar remédios para estimular a ovulação e voltar a menstruar normalmente. Além disso, elas podem também fazer a cauterização dos cistos para tratar a infertilidade.

Fora esses dois sintomas, a síndrome pode ainda levar à obesidade, acne, oleosidade da pele, queda de cabelo, e aumento dos pelos no rosto, seios e abdômen da mulher. Por isso, quem tem o problema deve se preocupar emperder peso, em tratar a acne e pode também usar as pílulas anticoncepcionais para controlar os sintomas.

 Se houver casos na família, as chances da paciente desenvolver a síndroma é  maior já que ela tem fator genético. No caso da família da estudante Laís da Silva Carlos, a hereditariedade da doença é visível.

Ela e a mãe sofrem da síndrome dos ovários policísticos e, além de todos os sintomas da doença, elas têm também mais vontade de comer doces, como mostrou a reportagem da Natália Ariede (confira no vídeo ao lado).

Hanseníase
A hanseníase é uma doença causada por uma infecção bacteriana, que afeta a pele e os nervos e pode dar manchas em qualquer parte do corpo, como mostrou a reportagem do Erikson Rezende, de Cuiabá, no Mato Grosso (veja no vídeo abaixo).

Porém, como explicou a pediatra Ana Escobar, normalmente, essas manchas se localizam nas extremidades, como braços, mãos, coxas, pernas e pés, além do rosto.

Fora esses sintomas, a doença pode dar ainda formigamento, falta de sensibilidade na pele, fraqueza muscular nas mãos, pés e rosto e queda de pelos na região das manchas.

No entanto, a hanseníase pode ser curada e tem chances ainda maiores se for diagnosticada cedo – se não for tratada, pode provocar deformidades, especialmente nas mãos e pés.

 O tratamento é feito com 2 ou 3 medicamentos e pode durar de 6 a 12 meses.

No entanto, como lembrou o ginecologista José Bento, é importante lembrar que os antibióticos podem cortar o efeito dos anticoncepcionais e, por isso, é preciso redobrar os cuidados com os métodos contraceptivos.

 

Fonte: G1