Você conhece Lúpus?

Você conhece Lúpus?

O sistema imunológico é responsável pela defesa do nosso corpo. É através dele que nosso organismo consegue lutar contra os vírus e bactérias presentes no ambiente. Contudo existem algumas doenças que acabam interferindo em nosso sistema imunológico, uma delas é o lúpus, uma doença autoimune que faz com que os anticorpos combatam tecidos saudáveis do corpo, ao invés de lutarem contra micro-organismos estranhos. Mais de 150 mil casos dessa doença crônica ocorrem por ano no Brasil, sendo que a maior incidência ocorre entre as mulheres, chegando a 90% o número de pacientes do sexo com a doença.

A doença pode se apresentar de diversas formas. Há pessoas que sentem febre e inchaço nos joelhos, queda de cabelo, outras apresentam feridas pelo corpo, problemas renais e fadiga. Entretanto a maior parte das pessoas apresenta alterações na pele e articulações. O tipo de lesão mais comum ocorre na pele do rosto, caracterizado como um eritema (mancha avermelhada que indica sinal de inflamação) que lembra a asa de uma borboleta.

O lúpus é classificado em três tipos: lúpus eritematoso discoide, que é limitado à pele; lúpus eritematoso induzido por drogas, causado pelo uso de certos tipos de entorpecentes e medicamentos; e ainda existe o lúpus eritematoso sistêmico que atinge órgãos internos e é considerado o mais grave.

Os órgãos acometidos pela doença são o coração, rins, pulmões, olhos, sangue, sistema locomotor, sistema nervoso central, sistema digestivo, pele e mucosas. Não é uma doença contagiosa, porém ainda não se sabe ao certo como surge. Quem tem lúpus têm sensibilidade à luz e suas feridas frequentemente aparecem em locais expostos ao sol.

O diagnóstico dessa doença é difícil e seus sintomas podem ser confundidos com o de outras doenças. Para identificar a doença, é necessário realizar diversos exames e investigar o histórico de saúde do paciente e de seus familiares.

Apesar do lúpus não ter cura, dependendo do órgão afetado, o médico prescreve medicações específicas que diminuem os efeitos do sistema imunológico, retraindo a doença. Geralmente os médicos recomendam exercícios físicos regulares no período em que a doença não apresenta atividade, o abandono do cigarro, a adoção de uma dieta balanceada e a diminuição da exposição ao sol.

Fonte: Mundo Educação